• Dados pessoais
    • Meus pedidos

    • Dados pessoais
    • Meus pedidos

Produtos encontrados: 165 Resultado da Pesquisa por: em 6 ms

Itens por página:

Produtos selecionados para comparar: 0Comparar

Produtos encontrados: 165 Resultado da Pesquisa por: em 6 ms

Itens por página:

Produtos selecionados para comparar: 0Comparar

 

Buquê de flores: conheça mais sobre a tradição de presentear com flores 

 

Elas facilitaram a jornada para a vida após a morte no Egito Antigo, foram celebradas como o melhor presente durante os tempos barrocos e foram mercadorias importantes durante a moda das tulipas. Sim, estamos falando das flores! E esse guia vai te mostrar  como começamos a presentear pessoas queridas com buquês de flores e ainda usando arranjos florais para decorar as nossas casas.

Afinal, as flores já são uma parte tão integrada da nossa rotina que fica difícil imaginar nossas vidas sem suas cores, aromas e beleza. Seja para mimar pessoas especiais ou para deixar um ambiente mais agradável, elas são apaixonantes e carregam uma história longa e cheia de simbologias.

Quer saber mais a respeito? Vem que a gente te conta!

 

 

1 - A história dos buquês de flores

2 - Significados das flores

3 - Arranjos de flores na decoração

4 - Como escolher os melhores buquês de flores

5 - Os buquês hoje em dia

 

1 - A história dos buquês de flores

Antigo Egito

Quando o arqueólogo Howard Carter descobriu a múmia egípcia de Tutankhamon em 1922, também encontrou buquês de flores de lótus azuis e bagas de erva-moura nos caixões. Carter foi totalmente tocado pelos buquês de flores, que provaram as tradições funerárias centenárias. Flores recém-cortadas eram objetos funerários populares no Egito Antigo. Assim, a evidência mais antiga desse uso cultural foi encontrada nas representações egípcias a partir do ano de 1540 a.C., indicando enterros com arranjos florais feitos de papoilas vermelhas, mandrágora amarela e flores azuis de milho. Os egípcios também usavam arranjos para fins espirituais: deveriam banir os maus espíritos, a fim de facilitar a passagem dos mortos para a vida após a morte.

 

Antiguidade e Época Medieval

Nos tempos antigos, os buquês de flores eram decorações e presentes populares - pela primeira vez, não apenas pelos mortos, mas também pelos vivos. Os gregos antigos davam flores às suas mulheres para apreciar sua beleza. Em ocasiões especiais, ainda enfeitavam os cabelos com coroas de flores. Na Roma antiga, por exemplo, arranjos florais representavam algo luxuoso: salas inteiras eram decoradas pelos romanos com pétalas de rosas ou flores de açafrão. 

O historiador Heitor Ribeiro lembra ainda que “a flor é um símbolo muito forte, ligado à fertilidade”, conta ao mencionar que a Primavera é comemorada nas mais diversas culturas. “A Deusa Eostre da fertilidade sempre foi representada pelas flores e ovos coloridos - ela simbolizava a chegada da primavera. E mais tarde, os Cristãos fizeram uma adaptação com comemoração com a Páscoa - que é celebrada junto d a chegada da primavera no hemisfério norte”, explica.

Já o fim do Império Romano em 550 d.C. pôs fim a uma cultura de flores tão luxuosa. Os primeiros cristãos, desconfiavam das flores, pois as viam como evidência do declínio das culturas pagãs. Após o cristianismo, o buquê de flores perdeu sua importância na Europa. Apenas mosteiros beneditinos e cistercienses tentaram preservar o conhecimento antigo de flores em seus jardins de claustro. 

Em 800 d.C., o imperador Carlos Magno mudou gradualmente o discurso medieval sobre as flores. Durante suas campanhas contra os mouros na Espanha, ele teve a oportunidade de explorar os impressionantes jardins árabes, nos quais as flores eram vistas como um símbolo do Divino. Carlos Magno ficou tão impressionado que exigiu uma certa quantidade de plantas medicinais e flores ornamentais em seus jardins do castelo. 

 

Renascimento

O buquê de flores comemorou seu retorno na Europa durante a Era Moderna. O Renascimento reviveu inúmeras ideias dos tempos antigos. Assim, foi durante os séculos XV e XVI que também foi redescoberto o antigo costume de dar um buquê floral de presente - mesmo que fosse puramente por razões práticas. As flores fortemente perfumadas destinavam-se a cobrir fortes odores corporais. Não é romântico, mas é verdade, foi assim que a tradição do buquê de noiva surgiu durante o Renascimento. 

Principalmente, as noivas usavam cravos que consistiam em ervas aromáticas frescas, como alecrim e mirra. Eles escondiam os odores corporais, baniam os maus espíritos e o forte cheiro de incenso na igreja. Os primeiros jardins de flores reais na Alemanha se desenvolveram após a queda de Constantinopla (1553). Até o final do Império Bizantino, mais e mais plantas bulbosas, como tulipas, narcisos e jacintos, foram importadas da Turquia para a Europa.

 

Idade Barroca

Durante o século XVII, as flores alcançaram um novo significado estético: o buquê de flores foi estilizado como uma forma de arte efêmera. A época foi moldada essencialmente pelos terrores da Guerra dos Trinta Anos (1618 - 1648). Por quase três décadas, o medo da morte dominou a vida cotidiana. Motivos antitéticos definiam discursos contemporâneos: os símbolos Vanitas enfatizavam a transitoriedade do ser e lembravam os seres humanos de sua mortalidade, que contrastava fortemente com a ideia barroca de "Carpe Diem". 

Flores frescas simbolizavam beleza e decomposição ao mesmo tempo. As flores cortadas eram consideradas o emblema da vitalidade e o sinal da fugacidade do tempo. Afinal, as flores já estão sempre fadadas a murchar. Assim, os buquês secos e os arranjos recém-colhidos se transformaram em um dos princípios estéticos mais importantes nas naturezas-mortas barrocas.

 

Mania das Tulipas

Quando arranjos florais dominaram não apenas a vida social, mas também econômica, durante o século XVII, surgiu a mania holandesa “das tulipas”. As tulipas eram parte tão integrante dos jardins aristocráticos, desde a sua introdução na Europa em 1560, que a nova mercadoria se transformou em um objeto colecionável e de especulação. Entre 1632 e 1637, houve uma verdadeira histeria de tulipas na Holanda - a planta bulbosa foi comercializada na bolsa de tulipas a preços impressionantes. 

Temporariamente, o valor de mercado de um único bulbo de tulipa era de 800 florins, o quíntuplo do salário médio anual. Diz-se que um bulbo de tulipa Semper Augustus custou 10.000 florins - até o mercado entrar em colapso em 1637. A mania das tulipas foi a primeira bolha de especulação na história econômica e mostra quantas flores provocaram as paixões coletivas do povo barroco.

 

2 - Significados das flores

 

A linguagem das flores

Durante o século VXIII, as flores passaram a ser usadas como meio de comunicação não-verbal. Tal "linguagem das flores" foi documentada pela primeira vez por Lady Mary Montagu em "Cartas do Oriente" (1718). Durante suas viagens a Constantinopla, ela encontrou os significados ocultos das flores otomanas, que conceituavam as flores como sinais semióticos: Íris significava lealdade, rosas vermelhas significam amor e flores de milho indicavam esperança. Até insultos e acusações poderiam ser expressos de maneira não verbal com a ajuda de flores. 

Tais códigos florais ocultos provocaram um hype entre os aristocratas europeus, que também permitiram às mulheres nobres, apesar das circunstâncias restritivas do século XVIII, comunicar seus desejos e conflitos sociais de maneira adequada. Os primeiros floristas, portanto, não criaram seus buquês para o gosto visual, mas criaram buquês de acordo com as mensagens ocultas que deveriam enviar.

Embora encontrar simbolismo na natureza faça parte da cultura humana há muito tempo, foi na Era Vitoriana que os significados e simbolismos que hoje mantemos verdadeiros foram definidos e eles criaram uma linguagem emotiva inteira das flores. Eles começaram a trocar presentes florais entre si para refletir sentimentos específicos em que palavras e gestos ficaram de lado.

Hoje, existem muitos dicionários de idiomas de flores e escolas de pensamento em torno da palavra, e o significado por trás de algumas flores específicas varia de região para região. No entanto, essa ampla gama de significado e definição permite que um arranjo floral transmita temas, motivos e conteúdo emocional e uma variedade de outros significados de sua composição.

Qualquer que seja o sentimento que você deseja expressar, sempre há uma flor que se adapta às suas necessidades. Assim como todas as fotos têm algo para contar, cada flor reflete uma história e depende de você que história você deseja transmitir ao mundo. Para ajudá-lo, pesquisamos uma seleção de flores e seus significados associados para descobrir quais flores fornecem historicamente o que:

 

Rosa

Não existe uma conversa sobre flores sem falar sobre rosas. A rosa representa a definição de amor e carinho e não é surpresa que essa flor icônica seja tão popular, mas na verdade há um significado muito mais profundo associado às rosas. Essa flor clássica terá significados diferentes nos arranjos, dependendo da cor. Rosas vermelhas representam amor, paixão e beleza, enquanto rosas brancas representam pureza, inocência e juventude. As cor-de-rosas refletem admiração, gentileza e graça e as rosas de pêssego significam sinceridade.

Também existe uma maneira de representar sua mensagem através de acordos específicos. Por exemplo, uma única flor de rosa pode representar devoção, enquanto duas flores de rosas emparelhadas podem ser interpretadas como uma representação floral de uma ocasião especial. De acordo com as regras do arranjo floral vitoriano, treze rosas representam o sinal de afeto de um admirador secreto.

 

Gardênia

As gardênias são uma flor branca brilhante com fragrância doce, uma escolha popular para buquês em geral. Sua fragrância inebriante e flores voluptuosas chamam a atenção há anos, transformando-as em uma escolha popular e clássica para arranjos florais, especialmente para buquês de flores de casamentos. Sua fragrância é cativante e suas cores pastel são fascinantes.

As gardênias geralmente são atribuídas com vários significados, incluindo paz, pureza, amor, calma e requinte. Como em muitas flores, o significado por trás de uma gardênia é frequentemente aumentado por sua cor. As gardênias brancas transmitem paz, calma e harmonia, enquanto as gardênias vermelhas, assim como as rosas vermelhas, transmitem amor e carinho entre duas pessoas e são flores românticas.

 

Lírio

O lírio é uma flor frequentemente usada em cerimônias religiosas e celebrações em todo o mundo por causa de sua bela fragrância e simbolismo. É frequentemente usado em perfumes e cultivado em hortas. Na linguagem das flores que representam “o retorno à felicidade” e simbolizam castidade, pureza, felicidade, sorte e humildade.

 

Tulipa

Originalmente da Pérsia e da Turquia, as tulipas são muito populares em todo o mundo. Como em todas as flores, cores diferentes têm significados distintos, tulipas amarelas simbolizam pensamentos alegres, tulipas roxas refletem rumo real e tulipas brancas transmitem intenções de dar ou pedir perdão. Tulipas vermelhas têm o significado vitoriano de um "amor perfeito" ou como uma declaração de amor.

 

Girassol

Os girassóis são muito populares devido à sua aparência "parecida com o sol". Eles mantêm nosso fascínio há muito tempo por causa disso.. A combinação única de impressionante beleza e utilidade é, em parte, o motivo pelo qual os girassóis aparecem como símbolos reverenciados ao longo da história.

Ao longo dos tempos, o girassol tem sido um símbolo invicto de beleza por ser uma flor amarela brilhante. Eles são hoje, comumente fotografados e utilizados como um ícone de beleza. Na Era Vitoriana, um girassol com caule mais longo do que o habitual transmitia a mensagem de falsas riquezas e arrogância, enquanto o girassol de caule pequeno representava adoração e longevidade.

 

3 - Arranjos de flores na decoração

 

Foi durante o século XIX que a classe média finalmente se apropriou do buquê de flores para seu próprio estilo de vida: no auge dos navios de carga rápida, mais e mais flores exóticas chegaram à Europa. Os comerciantes importaram azaléia e rododendro da China, bem como gladíolos e frésias da África do Sul. Após a industrialização, também foi mais fácil fabricar vasos baratos em fábricas. Assim, o buquê floral chegou à casa burguesa - embora as flores cortadas tenham sido um privilégio da nobreza, a classe média começava a decorar seus lares com arranjos de flores naturais

Ao se apropriar dos costumes da nobreza, a classe média quis demonstrar um estilo de vida de classe alta. Nesse período, o buquê se transformou em uma forma independente e conscientemente projetada. Não era mais apenas um presente, mas também um objeto de decoração de interiores.

A casa é um dos espaços mais importantes na vida de uma pessoa, porque é onde descansamos e nos reunimos com a família e os amigos. O lar é um dos pilares da vida, por isso temos que cuidar dele e dar o respeito que merecemos. Então, como você pode tornar sua casa um lugar confortável e cheio de energia? Com flores na decoração!

Alguns dos benefícios e importância das flores na decoração são:

Elevação de humor: as flores podem melhorar consideravelmente o humor das pessoas e também provocar sentimentos positivos, evocando memórias como aniversários, casamentos, aniversários etc.

Redução do estresse: vários estudos revelaram que a cor das flores tem um poderoso efeito calmante sobre as pessoas, reduzindo o risco de sofrer estresse.

Cor e vivacidade: as flores ajudam a criar ambientes cheios de cores e vitalidade, especialmente flores com cores vibrantes, como rosa, vermelho, azul ou amarelo, cujas cores adicionam um toque especial a casas de estilo mais chique.

Espaços naturais: As flores são essenciais para criar ambientes frescos e naturais, especialmente em apartamentos no meio de uma cidade.

Transforme um espaço: os arranjos florais podem transformar uma sala sem graça em um espaço revigorante. Preste atenção às cores ao criar um arranjo. Por exemplo, cores como laranja e vermelho provaram aumentar a energia, enquanto tons de azul e verde proporcionam uma sensação serena.

Uma expressão de criatividade: Criar arranjos de flores é uma expressão de criatividade e uma forma de arte altamente valorizada. Pode ser um hobby de meio período ou profissão de período integral, dependendo de como você deseja usar suas habilidades. No passado, foi transformado em prática meditativa pelos japoneses que adotaram a arte de arranjar flores da China.

Para criar os melhores arranjos de flores para a casa, depende da decoração do ambiente, como explica a florista Regina de Grammont:

“Se você quer um ambiente rústico, você vai procurar um tipo de flor que combine, como flores do campo. Já se você quer dar um ar mais sofisticado, deve apostar em flores europeias e se você quiser um ambiente exótico, use flores tropicais. Quanto aos ambientes, a entrada da casa é um ótimo cartão de visitas e outro lugar que gosto de flores é no banheiro, deixando uma hastezinha de flor ou folhagem para dar um ar gostoso”

Ela ainda diz que aparadores ou outros cantinhos vazios que precisam de cor, são ótimos para colocar um vasinho.

 

4 - Como escolher os melhores buquês de flores

 

As flores são adoráveis ??e bastante variadas, o que significa que você tem várias opções quando se trata de escolher um buquê. Selecionar a flor certa para o seu arranjo pode definir o tom do sentimento que você está tentando transmitir, assim como selecionar o tamanho e a disposição perfeita.

Uma das considerações mais importantes na escolha de um buquê é determinar o tamanho certo. Um buquê pequeno é ótimo para demonstrar um sentimento amigável e suave, enquanto um buquê grande expressa esse mesmo sentimento de uma maneira grandiosa e exuberante.

A florista Regina de Grammont fala ainda sobre a importância de escolher flores duráveis. “Hoje em dia entre as que estão muito populares, a astromélia é ótima porque é uma flor que lembra uma pequena orquídea e dura muito”, defende.

O preço pode ser considerado na seleção do tamanho do buquê perfeito, mas também é importante considerar o destino. Por exemplo, se você estiver enviando um buquê de flores para alguém em um hospital, preste atenção ao fato de que eles provavelmente vão querer levar o buquê para casa quando a estadia acabar. Portanto, não escolha algo muito grande e difícil de transportar.

A forma é outra coisa que vale a pena considerar ao escolher um buquê. As opções populares incluem desenhos redondos e simétricos, desenhos em crescente longo ou desenhos em cascata. Os desenhos em crescente têm peças mais longas que se projetam de um lado em oposição ao outro, enquanto os desenhos em cascata têm peças longas que ficam penduradas na parte inferior do buquê.

A cor é o próximo fator importante na escolha de um arranjo de flores e depende muito do sentimento que você deseja transmitir. A escolha da cor e o tipo de flor andam de mãos dadas com o objetivo do seu buquê, portanto, dê a cada consideração igual.

Se você deseja alegrar o dia de alguém, os girassóis são uma maneira perfeita. Na verdade, qualquer flor amarela geralmente traz alegria aos dias de alguém. Já se você gostaria de agradecer, há vários buquês adequados para esse gesto. Qualquer coisa, de margaridas a girassóis e peônias, seria suficiente. Se você quiser ser original e até sofisticado, opte por algo com orquídeas. As orquídeas são únicas, elegantes e surpreendentemente apaixonantes!

As rosas são conhecidas por serem o núcleo dos arranjos românticos. Se você deseja que seu alguém especial saiba o quanto ele é adorado, procure um buquê com rosas em vermelho e rosa intenso. Se você optar por um buquê de rosas vermelhas, sua mensagem certamente expressará uma paixão.

Por fim, se você quer dar um presente formal, lírios e orquídeas são duas das flores mais elegantes. Como um bônus, ambos vêm com aromas delicados e divinos. Para qualquer ocasião que exija um toque de formalidade, como um jantar de negócios ou um presente de aniversário para um colega, opte por um buquê com algumas dessas flores coloridas graciosas.

 

5 - Os buquês hoje em dia

As flores e como as usamos sempre nos dizem algo sobre as circunstâncias socioculturais de seu tempo: como mercadoria transcultural, elas esboçam os caminhos fatídicos do colonialismo. Eles mostram como as inovações técnicas nas viagens marítimas e aéreas mudaram nosso mundo de consumo e como desenvolvimentos sociais, como a industrialização, os trouxeram para nossas casas a preços razoáveis. E os buquês ainda não perderam seu fascínio hoje em dia.

Séculos se passaram, mas uma coisa permanece: o arranjo de flores é uma arte atemporal e continuará sendo importante nos próximos séculos. Para saber qual a melhor flor para presentear alguém, depende muito de gostos pessoais, mas Regina conta que buquês coloridos com flores variados são excelentes se você gosta de opções diferenciadas, mas que há quem prefira arranjos convencionais, como os clássicos buquês de rosas. 

“Mas não importa a sua escolha, a primeira coisa que você tem que saber quando for comprar um buquê é se as flores estão saudáveis. Porque não é apenas entregar e a flor morrer no mesmo dia, ela precisa durar”, explica. E se você quer saber quais flores são mais fáceis de cuidar, a florista diz que anastácia, astromélia, crisântemo e bromélia não apenas são simples de manter como duram bastante e são muito bonitas.